COMPRAS NO EXTERIOR? TUDO QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE COTAS, ISENÇÕES, RESTRIÇÕES, LIMITES QUANTITATIVOS E PERDIMENTO.

30/06/2017 - Escrito por: Renan Bartholo

Raro é o período em que não somos consultados por pessoas físicas que tem mercadorias apreendidas em zona primária e/ou secundária, após compras no exterior. Por isso resolvemos fazer um conteúdo para sanar de vez todas as dúvidas sobre este tema.

Se você é um residente domiciliado no Brasil, frequentemente viaja ao exterior e gosta de trazer algumas compras ao país, leia com atenção para que não tenha surpresas na alfândega de entrada.

 

LEIA TAMBÉM:

  1. FOMOS CONVIDADOS PARA PARTICIPAR DE UMA FEIRA NO EXTERIOR. É POSSÍVEL ENVIAR AS MERCADORIAS TEMPORARIAMENTE E NÃO PAGAR OS IMPOSTOS NO RETORNO?
  2. O QUE FAZ EXATAMENTE UM DESPACHANTE ADUANEIRO?
  3. TRÊS DICAS PARA QUEM DESEJA EXPORTAR

 

ISENÇÕES DA BAGAGEM ACOMPANHADA

Livros, folhetos, periódicos e bens de uso ou consumo pessoal são isentos do pagamento de tributos.

Para fins de isenção, os bens de uso ou consumo pessoal deverão observar, cumulativamente, as seguintes condições:

  1. a) O bem deve ser de uso próprio do viajante;
    b) A aquisição do bem deve ter sido necessária de acordo com:
  • as circunstâncias da viagem;
  • a condição física do viajante;
  • as atividades profissionais executadas durante a viagem.
  1. c) O bem deve apresentar-se na condição de usado;
    d) A natureza e a quantidade do bem devem ser compatíveis com as circunstâncias da viagem.

Os bens isentos não precisam ser declarados por estarem livres de recolhimento do imposto de importação e não entrarem no cálculo da cota de isenção, a menos que se deseje regularizar a sua entrada no país.

Importante: não podem entrar no país sem o recolhimento dos tributos bens que caracterizem comércio.

COTA DE ISENÇÃO DA BAGAGEM ACOMPANHADA

Os bens que não se enquadrem como de uso ou consumo pessoal, conforme as condições acima, apenas serão isentos caso estejam dentro do conceito de bagagem e até o limite da cota específica da via de transporte:

  • US$ 500,00 (quinhentos dólares dos Estados Unidos da América) ou o equivalente em outra moeda, quando o viajante ingressar no país por via aérea ou marítima; e
  • US$ 300,00 (trezentos dólares dos Estados Unidos da América) ou o equivalente em outra moeda, quando o viajante ingressar no país por via terrestre, fluvial ou lacustre.

A cota de isenção será formada pelos bens sujeitos ao pagamento do imposto, desde que estejam dentro do conceito de bagagem acompanhada.

Importante: As isenções de impostos sobre a importação da bagagem de viajantes são individuais e intransferíveis, ou seja, não se pode somar as cotas para se beneficiar da isenção, ainda que entre familiares.

LIMITES QUANTITATIVOS

Para usufruir da isenção da bagagem acompanhada, além de observar a cota de valor, é preciso obedecer aos limites quantitativos abaixo:

Bens Via aérea ou marítima Via terrestre, fluvial ou lacustre
Bebidas alcoólicas 12 litros no total 12 litros no total
Cigarros de fabricação estrangeira 10 maços, no total, contendo cada um 20 unidades 10 maços, no total, contendo cada um 20 unidades
Charutos ou cigarrilhas 25 unidades no total 25 unidades, no total
Fumo 250 gramas no total 250 gramas, no total
Bens não relacionados acima Inferiores a US$ 10,00: até 20 unidades, no máximo 10 idênticos Inferiores a US$ 5,00: até 20 unidades, no máximo 10 idênticos
Bens não relacionados acima Superiores a US$ 10,00: até 20 unidades, no máximo 03 idênticos Superiores a US$ 5,00: até 10 unidades, no máximo 03 idênticos

 

Importante: se exceder os limites quantitativos, os bens ficarão retidos para aplicação do Regime Comum de Importação – RCI para cálculo dos impostos devidos, desde que a quantidade não revele destinação comercial.

COMPRAS EM FREE SHOP DE SAÍDA DO BRASIL OU FORA DO PAÍS

Se trazidos ao Brasil integram a bagagem do viajante fazendo parte da cota, os bens adquiridos em:

  • Lojas de Free Shop de saída do Brasil ou no exterior;
  • Lojas, catálogos e exposições Duty Free dentro de ônibus, aeronaves ou embarcações de viagem.

COMPRAS EM FREE SHOP DE ENTRADA NO BRASIL

O viajante possui mais uma cota de US$ 500,00 para compras nas lojas Free Shop do primeiro aeroporto de desembarque no Brasil.

LIMITES QUANTITATIVOS DA COTA ADICIONAL

  • As compras nas lojas Free Shop de chegada ao Brasil sujeitam-se aos seguintes limites quantitativos:
  • 24 (vinte e quatro) unidades de bebidas alcoólicas, observado quantitativo máximo de 12 (doze) unidades por tipo de bebida;
  • 20 (vinte) maços de cigarros;
  • 25 (vinte e cinco) unidades de charutos ou cigarrilhas;
  • 250 g (duzentos e cinqüenta gramas) de fumo preparado para cachimbo;
  • 10 (dez) unidades de artigos de toucador; e
  • 3 (três) unidades de relógios, máquinas, aparelhos, equipamentos, brinquedos, jogos ou instrumentos elétricos ou eletrônicos.

BENS A DECLARAR, CÁLCULO DO IMPOSTO E PAGAMENTO

O viajante que tiver bens a declarar é obrigado a preencher a Declaração Eletrônica de Bens de Viajantes (e-DBV). Ao chegar no Brasil, deverá escolher um dos canais: “Nada a Declarar” ou “Bens a Declarar”.

NADA A DECLARAR

Este canal deve ser escolhido caso o viajante se enquadre em uma das hipóteses de isenção.

Importante: Caso o viajante se dirija ao canal Nada a Declarar e esteja portando bens que deveriam ter sido declarados, essa opção configura declaração falsa e perda da espontaneidade em recolher o imposto devido, punida com multa correspondente a 50% do valor excedente ao limite de isenção para a via de transporte utilizada.

BENS A DECLARAR

Este canal deve ser escolhido caso o viajante possua:

  • Bens tributáveis que ultrapassem a cota de isenção;
  • Itens sob controle da Vigilância Sanitária, Agropecuária e do Exército ou sujeitos a restrições e proibições de outros órgãos;
  • Outros itens cuja entrada no País deseje comprovar;

Bens que não sejam passíveis de enquadramento como bagagem (bens fora do conceito de bagagem), tais como:

  • Veículos automotores, motocicletas, motonetas, bicicletas com motor, motos aquáticas e similares, bem como suas partes e peças, motores e peças para embarcação e aeronaves;
  • Produtos sob vigilância sanitária destinados à prestação de serviços a terceiros;
  • Que excedam os limites quantitativos;
  • Bens destinados a pessoa jurídica para posterior despacho no Regime Comum de Importação;

CÁLCULO DO IMPOSTO – REGIME DE TRIBUTAÇÃO ESPECIAL – RTE

Aplica-se a alíquota de 50% de imposto de importação sobre a bagagem que exceder os limites do valor da cota de isenção, obedecidos aos limites quantitativos.

Para o cálculo do imposto, o câmbio utilizado será o vigente na data da transmissão da Declaração Eletrônica de Bens de Viajantes (e-DBV).

Importante: a cota de isenção é válida para todos os viajantes e será concedida a cada intervalo de um mês, a contar da chegada da última viagem internacional, independentemente do pagamento de tributos. 

REGIME COMUM DE IMPORTAÇÃO PARA BAGAGENS

Aos bens trazidos por viajante que não tiverem isenção ou não puderem ser submetidos à tributação especial, será aplicado o Regime de Importação Comum. São eles:

  • Bens excluídos do conceito de bagagem; e
  • Bens que excedam o limite quantitativo; e
  • Bens integrantes de bagagem desacompanhada, mas:
  • que não chegarem ao País no prazo de três meses anteriores ou até seis meses posteriores à chegada do viajante;
  • que não forem provenientes dos países de estada ou procedência do viajante.

O despacho de importação de mercadorias tributadas pelo regime de importação comum é realizado mediante a apresentação de declaração de importação, formulada no Sistema Integrado de Comércio Exterior (Siscomex), devendo ser satisfeitas todas as normas que regulamentam as importações.

Importante: Esse procedimento não é tão simples de ser realizado por pessoas não habituadas aos procedimentos aduaneiros, por essa razão, se for o caso, aconselha-se que o viajante procure um despachante aduaneiro.

PAGAMENTO E RETENÇÃO DE BENS

Se você recebeu um Termo de Retenção ou Apreensão de Bens, consulte um despachante aduaneiro para saber o que pode ser feito.

Caso o motivo da retenção tenha sido “perdimento” a regularização aduaneira não é possível. Essa penalidade é aplicada aos casos previstos em lei, a exemplo de tentativa de importação de bens proibidos, restritos sem anuência de outros órgãos administrativos, para pessoa jurídica não identificada, bens com destinação comercial, mercadoria apreendida em zona secundária e etc.

INFRAÇÕES E PENALIDADES

A legislação brasileira prevê penalidades por falsas declarações e/ou a apresentação de documentos fraudulentos. As penalidades variam de multas, calculadas sobre o valor dos bens, até a apreensão desses bens para aplicação da pena de perdimento, podendo ainda o viajante ser processado criminalmente.

O viajante que, sem a autorização prévia da Aduana e o pagamento dos tributos e acréscimos legais cabíveis, vender, depositar para fins comerciais ou expuser à venda bens integrantes de bagagem, que tenham sido desembaraçados com isenção de tributos, é punido com a imposição de multa equivalente a 200% do valor dos bens.

Importante: configura declaração falsa a opção do viajante pelo canal “nada a declarar”, mas que esteja trazendo bens com valor global superior ao limite da cota de isenção. Portanto, além da multa, deverá ser pago o imposto devido.

As pessoas físicas somente podem importar bens para uso próprio.

 

Ficou alguma dúvida? Entre em contato conosco!

Referencias:

Receita Federal

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS

Fundado em 2015 na cidade de Foz do Iguaçu-PR, o Grupo FMS é uma marca criada por seus sócios diretores Fabio Miranda da Silva, Renan Centurion Bartholo, Rogério Fenner Berwanger com a finalidade de unificar a identificação das empresas FMS Despachos Aduaneiros e RF Comex Assessoria e Logística Aduaneira no ramo de Comércio Exterior.

Saiba mais.