PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE EXPORTAÇÃO DE MERCADORIAS EM TÍTULO DE DOAÇÃO E OPERAÇÕES SEM COBERTURA CAMBIAL

31/07/2017 - Escrito por: Renan Bartholo

Ao se falar em doação, logo nos vem à mente a transferência de algo de forma gratuita, sem ônus. Na exportação, muitos confundem a remessa a título de doação com as outras operações sem cobertura cambial.

 

LEIA TAMBÉM:

  1. COMPRAS NO EXTERIOR? TUDO QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE COTAS, ISENÇÕES, RESTRIÇÕES, LIMITES QUANTITATIVOS E PERDIMENTO.
  2. FOMOS CONVIDADOS PARA PARTICIPAR DE UMA FEIRA NO EXTERIOR. É POSSÍVEL ENVIAR AS MERCADORIAS TEMPORARIAMENTE E NÃO PAGAR OS IMPOSTOS NO RETORNO?
  3. O QUE FAZ EXATAMENTE UM DESPACHANTE ADUANEIRO?

 

Aparentemente, os processos são bem semelhantes levando em consideração que ambos os casos será remetida uma mercadoria e não haverá pagamento ou o respectivo ingresso das divisas. Porém há algumas diferenças essenciais que precisamos pontuar.

As exportações sem cobertura cambial encontram amparo no Anexo P da Portaria Secex nº 25 de 27/11/08, que relaciona: exportação temporária, remessa a título de indenização, reexportação de mercadoria que tenha entrado no país temporariamente, investimento brasileiro no exterior, amostras, mercadoria em bonificação, doação e outros. Ou seja, para cada exportação sem cobertura cambial haverá necessidade de enquadrar a operação dentro do anexo P da portaria.

O mesmo serve também de base legal para o envio de bens ao exterior a título de doação. Para o envio ao exterior sob essa rubrica, deve-se atentar para as seguintes dicas:

a) Verificar o citado, que permite o envio somente quando:
– se tratar de animais ou;
– de mercadorias, desde que o exportador seja comprovadamente entidade religiosa, filantrópica, instituição de ensino ou científica ou que os bens sejam destinados a atender a fins humanitários, filantrópicos, de treinamento de pessoal ou para intercâmbio cultural.

b) Elaborar o RE com as seguintes características:
– código de enquadramento: 99104 – sem cobertura – doações;
– NCM – mencione o código especial criado para esse tipo de operação: 99970000-00 ou, alternativamente.

c) Enviar com DSE, conforme Instrução Normativa SRF nº 611, de 18/01/06, quando se tratar de:
– bens destinados à assistência e salvamento em situações de guerra, calamidade pública ou de acidentes de que decorra dano ou ameaça de dano à coletividade ou ao meio ambiente;
– bens destinados a emprego militar e apoio logístico às tropas brasileiras designadas para integrar força de paz em território estrangeiro.

Obs: Neste caso é necessário mencionar na DSE o código de operação 30 – doação em caráter de ajuda humanitária.

d) Providenciar, além de RE ou DSE mencionados, os demais documentos usuais da exportação, ou seja:
– Nota Fiscal – CFOP: 7.949;
– Conhecimento de Embarque;
– Romaneio ou Packing List;
– Fatura – com a denominação “doação”;
– Certificação de Origem (se houver acordo comercial)*.

*O importador não efetuará o pagamento da mercadoria, no entanto, os impostos na entrada poderão ser devidos, daí a importância do envio do certificado para que o importador possa se for o caso, usufruir de redução ou eliminação do Imposto de Importação.

Desta forma ressaltamos a real necessidade de buscar uma assessoria que possa identificar as particularidades do processo e orientar para que o embarque tenha o máximo de assertividade possível. Uma consultoria adequada além de reduzir o tempo de liberação, poderá eliminar eventuais custos desnecessários como multas e estadias de transporte e/ou aduana.

Dúvidas ou sugestão? Entre em contato conosco clicando aqui.

Referências:

Receita Federal
Portaria Secex nº 25 de 27/11/08
Aduaneiras
MDIC

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS

Fundado em 2015 na cidade de Foz do Iguaçu-PR, o Grupo FMS é uma marca criada por seus sócios diretores Fabio Miranda da Silva, Renan Centurion Bartholo, Rogério Fenner Berwanger com a finalidade de unificar a identificação das empresas FMS Despachos Aduaneiros e RF Comex Assessoria e Logística Aduaneira no ramo de Comércio Exterior.

Saiba mais.